Allann

Presidente que assumiu a Federação, em abril, avalia que a retomada dos campeonatos de base é fundamental, mas ainda há muito trabalho a ser feito para sua continuidade e para o desenvolvimento do basquete no DF. Nesta entrevista, o Presidente fala sobre os planos da nova gestão.

Presidente, como foi sua aproximação com o basquete?

– Comecei a jogar basquete aos 12 anos, aqui em Brasília, e continuo jogando até hoje. Sou apaixonado por essa modalidade e faço parte de uma família que também gosta muito de esporte. Minha avó, Dna. Josmelinda, já falecida, foi uma grande incentivadora do esporte. Manteve equipes de vôlei e de basquete, no Colégio Planalto, e construiu o ginásio do IESPLAN, que até hoje é um dos melhores do DF.

E por que a decisão de se candidatar à Presidência da FBDF?

– Observei que nos últimos anos o basquete ficou estagnado no DF. Então, mobilizei amigos do meio, em especial o Felipe Bretas, e decidimos criar uma liga para organizar o Campeonato Adulto. E foi assim que criamos a BRABA, que já contou com dez equipes, em 2012, e neste ano alcançou 16 times, tornando-se a maior competição da categoria na história recente do DF. A decisão de fazer parte da Federação foi baseada na mesma vontade de ver o basquete crescer, agora envolvendo as categorias de base.

Como está o trabalho à frente da Federação?

– Estamos num esforço de reestruturação administrativa. Tivemos que assegurar o funcionamento de uma sede, montar uma estrutura organizacional, contratar uma funcionária, construir vários processos, enfim, ações que não são percebidas pela comunidade do basquete, porque são internas. Paralelamente, realizamos uma competição de Basquete 3×3, com a parceria do UniCEUB/BRB e enviamos nossas seleções Sub-17, feminina e masculina, para os campeonatos brasileiros da CBB – as duas conseguiram se classificar para a 1ª Divisão, em 2014. Temos entendimentos em andamento com possíveis parceiros e um portifólio de projetos de um Programa que lançaremos em setembro, abrangendo diversas áreas. Uma coisa muito importante é que estamos contando com o apoio dos agentes do basquete no DF e isso é bastante motivador. Muita gente querendo ajudar. Estou feliz com esse início de trabalho.

Hoje, a FBDF lança seu site e anuncia a retomada dos campeonatos de base. Que importância isso tem na estratégia da FBDF?

Estávamos ansiosos por este dia. São dois itens muito importantes em nossa estratégia. O site será o principal canal para nosso relacionamento com a comunidade do basquete e tem como objetivo, além de informar, ser operacional, ou seja, colocamos nele todos os formulários de cadastramento, que serão preenchidos e remetidos para a FBDF eletronicamente, sem trânsito de papel. Isto é essencial, porque facilita o controle, reduz custos e está de acordo com um de nossos valores, que é a responsabilidade socioambiental. Claro que o site não tem recursos que poderia ter, porque ainda não podemos arcar com custos para isso, mas avalio que é um bom começo, que os usuários nos ajudarão a melhorar. A retomada dos campeonatos de base é uma prioridade absoluta para nós. Neste ano, faremos uma competição curta, que chamamos de “Mobilização”, mas abrangeremos todas as categorias cuja organização está a cargo da FBDF: Sub-14, Sub-15, Sub-16, Sub-17, Sub-19, feminino e masculino, e Adulto Feminino. E contamos com o apoio da Secretaria de Esporte do GDF, o que vai possibilitar a participação das equipes pagando somente a taxa de registro de R$ 20,00, por atleta. É um primeiro passo para um novo modelo de relacionamento com nossos atletas e filiados, que será detalhado no próximo mês. Convido todas as entidades que têm equipe de basquete a acessarem as informações e formulários para participação nos campeonatos, que estão disponíveis no site.

Quais as perspectivas para 2014?

Acredito que 2014 será o ano da implantação dos projetos que compõem o Programa que lançaremos em setembro. Já posso adiantar que envolvem a ampliação e continuidade das competições de base, o aperfeiçoamento da arbitragem, das seleções, além de um esforço para expansão do basquete nas cidades satélites e no Entorno do DF e também para a presença de torcida nos jogos. Quem observar o nosso organograma, vai ver que já está lá a função do “Representante Regional”, que será muito importante nesse processo de desenvolvimento do basquete. Queremos ampliar muito o número de entidades filiadas e de equipes. Estamos otimistas e trabalhando nesse sentido.